Sergio Moro obriga Lula a ir a 87 depoimentos de testemunhas no Paraná

Defesa de Lula afirma que a decisão é "mais uma arbitrariedade de Sergio Moro contra o ex-presidente". Advogados dizem ainda que juiz da Lava Jato pretende manter Lula em cidade diversa da qual ele reside para atrapalhar suas atividades políticas

lula sergio moro testemunhas

Pragmatismo Político - O juiz Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, determinou que o ex-presidente Lula acompanhe presencialmente os depoimentos das 87 testemunhas que sua defesa listou em um dos três processos em que o ex-presidente é réu na Operação Lava Jato. 


O magistrado justifica que a medida foi tomada para “prevenir a insistência na oitiva de testemunhas irrelevantes, impertinentes ou que poderiam ser substituídas, sem prejuízo, por prova emprestadas”.

No despacho, publicado no início da noite desta segunda (17), Moro reclama que “parece bastante exagerado” o número de testemunhas listadas por Lula no processo, entre elas “dois senadores, dois deputados federais, o ministro da fazenda e um ministro do TCU”.

“Não obstante, já que este julgador terá que ouvir oitenta e sete testemunhas da defesa de Luiz Inácio Lula da Silva, além de dezenas de outras, embora em menor número arroladas pelos demais acusados, fica consignado que será exigida a presença do acusado Luiz Inácio Lula da Silva nas audiências nas quais serão ouvidas as testemunhas arroladas por sua própria defesa”, afirmou o juiz.
Arbitrariedade

A defesa de Lula disse em nota que a decisão é “mais uma arbitrariedade contra o ex-presidente, pois subverte o devido processo legal, transformando o direito do acusado (de defesa) em obrigação”.

“Presente o advogado, responsável pela defesa técnica, a presença do acusado nas audiências para a oitiva de testemunhas deve ser uma faculdade e não uma obrigação”, afirmou em nota o advogado Cristiano Zanin Martins.

Segundo Martins, o juiz Sérgio Moro “adota o direito penal do inimigo em relação a Lula” e “pretende, claramente, desqualificar a defesa e manter Lula em cidade diversa da qual ele reside para atrapalhar suas atividades políticas”.
Acusação

A acusação dos procuradores da Lava Jato contra o ex-presidente afirma que parte das propinas pagas pela Odebrecht em contratos com a Petrobras foi destinada à aquisição de um imóvel na zona sul de São Paulo para servir como sede do Instituto Lula.

A denúncia também diz que o dinheiro de propina foi usado para comprar um apartamento vizinho à cobertura onde mora o ex-presidente, em São Bernardo do Campo (SP), que é alugado pela família de Lula.

Sobre essas acusações, a defesa de Lula tem dito que o ex-presidente e sua família “jamais foram beneficiados por qualquer dos dois imóveis indicados na denúncia” ou “receberam qualquer vantagem indevida de contratos da Petrobras”.

“O que se observa é a ânsia desmesurada e crescente de prover acusações a Lula em tempo recorde”, afirmou Martins.

Para ele, a força-tarefa da Lava Jato tem agido por “retaliação e vingança”.

“Não houve qualquer investigação isenta, mas uma sequência de fatos produzidos para sustentar a abertura de inúmeros procedimentos frívolos e sem materialidade contra Lula, com o único intuito de impedir o sucesso de suas atividades políticas”, disse a defesa.

Os advogados afirmam que o imóvel que seria destinado ao Instituto Lula jamais foi de propriedade ou posse do ex-presidente, e que o apartamento de São Bernardo do Campo é alugado pela família num “negócio de âmbito estritamente privado e sem qualquer relação com a Lava Jato.

Comentários