Como Temer vai privatizar a Eletrobrás para sustentar corrupção e aumentar sua conta luz


A nova palavra de ordem do ilegítimo governo Michel Temer (PMDB) é ‘privatizar para sustentar a corrupção’ da quadrilha que tomou de assalto o Palácio do Planalto.


A “redução da participação da União” no capital da estatal visa arrecadar até R$ 20 bilhões, diz um comunicado do Ministério de Minas e Energia.

“Mais um anúncio escandaloso de um governo golpista, antinacional e corrupto. Vender a Eletrobras é crime de lesa-pátria!”, disparou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), líder da bancada petista no Senado.

O anúncio da intenção de privatizar a Eletrobrás ocorreu no mesmo dia, no caso hoje (21), em que se soube da suspensão do leilão da Cemig pela Justiça.

Michel Temer precisa arranjar R$ 159 bilhões para cobrir o rombo causado pelo golpe de Estado e, de quebra, sustentar a corrupção e a quadrilha que tomou de assalto o Palácio do Planalto.


Comentários