Quando Marco Antonio Villa vai comentar a agenda eleitoral de Doria?

Resultado de imagem para Marco Antonio Villa  doria

Villa tinha uma obsessão estranhíssima com Haddad. Um ódio patológico, explicitado todo santo dia.


Ele tentou colar na testa de sua nêmese o carimbo de vagabundo. Para tanto, se agarra à agenda do prefeito, que ele esmiúça. Gênio. Em maio, Haddad publicou uma agenda falsa no site oficial. O “historiador” caiu na pegadinha.

Leia também: Brasileiro manda carta de apoio a nazistas e eles respondem “não aceitamos latinos”;

Quando soube que fez papel de idiota, teve um chilique, escreveu um mimimi no Facebook — e ficou de mal do homem para o resto da vida. Até aí, problema dele.

O que ultrapassa qualquer sinal de mínimo bom senso é uma empresa receber uma pessoa e um de seus colaboradores tentar linchá-la, visivelmente em surto, por uma questão que se tornou pessoal.

Uma coisa é ser firme, contundente e confrontar um entrevistado com dados, como fez, por exemplo, Roberto Cabrini com Cunha e a mulher Cláudia Cruz.

Outra é jogar na cara de um convidado os frutos de uma doença que o interlocutor cultiva. O repertório de Villa se resume a uma ideia, repetida com algumas variações: “O senhor não trabalha”.

Ele quis se vingar de ter sido exposto. Haddad, mais uma vez, se saiu melhor por uma simples razão: manteve o equilíbrio. Enlouquecido, Villa chegou a destratar a jornalista da Pan que ousou pedir calma.

É o chamado deficit civilizatório. Em empresas normais, não só de mídia, esse tipo de besta humana não vicejaria.


Na Pan, ganha parabéns e uma “matéria” sobre o vexame com a seguinte abertura: “O candidato a reeleição da prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, resolveu deixar a preocupação com administração pública de lado e o bateu boca com o historiador Marco Antonio Villa durante a entrevista do Jornal da Manhã”.

Agora: não foi a primeira vez e não será a última. A Nasa ainda explicará o que Fernando Haddad vai fazer nesses lugares onde é hostilizado diuturnamente. Eu vendo meu poodle se ele ganhar um mísero voto. Os comentários dos ouvintes são desse teor: “Acho que a coragem do Villa é histórica.”

Mas e com a agenda eleitoral, quando Villa vai falar algo?

Com informações de Kiko Nogueira.

Comentários