Como “erros” de Janot farão com que provas da JBS contra Temer e Aécio sejam anuladas


Por Fernando Brito, editor do Tijolaço


Surgem as primeiras informações sobre o conteúdo da gravação “involuntária” da conversa entre Joesley Batista e seu operador Ricardo Saúd.

Por ela, ficaria evidente de que tido o processo estava “armado” para fazer com que os ratos caíssem na ratoeira.

É muito difícil que não sejam anuladas todas as provas da delação da JBS.

A Procuradoria Geral da República está desmoralizada por ter embarcado na desmoralizada “onda” da Força Tarefa de Curitiba.

E até porque ainda resta alguma decência, no comando da PGR, o que por lá falta.


Em Curitiba, como todos os outros abusos que se deram por lá, não viria ao caso, como não vieram as delações obtidas pelos meses e meses de prisões preventivas.

Se algum mérito se pode dar a Janot – se é que não foi pela percepção de que a perícia dos gravadores não lhe deixava outra saída – é o de não ter varrido para debaixo do tapete, como é feito nas terras das araucárias.


Quando o sistema judicial passa a ter juízes cujos “olhos brilham” diante da possibilidade de condenar alguém por corrupção, ele próprio já se corrompeu.

Só mesmo os que se iludiram com a cegueira de serem os “heróis do Brasil” , como fizeram tantos procuradores e o próprio Janot não percebem os monstros em que se transformaram.

Comentários