Gisele Bündchen é uma cabeça oca que apoia um golpe e depois chora com o resultado

Resultado de imagem para gisele fora temer rock in rio

Por Kiko Nogueira - Gisele Bündchen fez um discurso de abertura no Rock in Rio que emocionou muitas boas almas desavisadas.


A modelo, que virou um ícone da defesa do meio ambiente, lançou ali um projeto chamado Believe Earth.

“Sonho com o dia em que encontraremos o equilíbrio entre o ter e o ser, o desfrutar e o preservar. Sonho com o dia em que viveremos em harmonia em total harmonia com a mãe Terra. Cada um tem um impacto nesse mundo, só temo


Chorou no final. A pieguice foi quebrada pelos gritos de “Fora Temer” da plateia.

Gisele costuma repercutir ONGs ambientalistas nas redes sociais. Quando Temer anunciou a extinção da Reserva nacional do Cobre e Associados, Renca, ela se manifestou.

“Vergonha! Estão leiloando nossa Amazônia! Não podemos destruir nossas áreas protegidas em prol de interesses privados”, escreveu no Twitter.

Temer acabou respondendo a ela. O malandro anunciou que havia voltado atrás. Enquanto isso, enviava ao Congresso um projeto de lei aumentando a reserva. A coisa rendeu barulho no noticiário durante três dias, até Temer e Gisele voltarem aos seus afazeres.



Gisele é uma cabeça oca. Uma linda e, eventualmente, bem intencionada cabeça oca que não consegue juntar lé com cré e que virou ambientalista porque seu relações públicas manda. Pega bem.

É uma rainha milionária numa indústria frívola, dependente de trabalho escravo, e com, seguramente, as pessoas mais burras do planeta. 

Em 2016, com essa mesma vontade de dar força a “grandes causas”, sabendo que conta sempre com uma cobertura positiva da mídia, ela apoiou o golpe.

Em março daquele ano, publicou um post no Instagram sobre a divulgação ilegal dos grampos de Lula e Dilma.

“A democracia em uma sociedade livre exige que os governados saibam o que fazem os governantes”, disse na postagem, citando Sérgio Moro.



A foto era uma montagem canastrona dela com as mãos em posição de oração. Em segundo plano, uma fusão da bandeira nacional com o que parece ser um rio. Completou com hashtags idiotas do tipo “Meu partido é o Brasil”, “Chega de corrupção”, “Muda Brasil” e “Pela democracia”.

Gisele em março de 2016

Gisele, como vários de seus colegas que protestaram na Paulista, achava que Sting ia assumir? Temer ia fazer o quê? Qual é a surpresa? Por que um ladrão com um agenda privatista vagabunda pouparia o jardim de Gisele?

Gisele tem um estilo de vida nababesco, ostentatório e que vai na contramão de qualquer ideia de sustentabilidade. 

Casada com um dos atletas mais bem pagos do mundo, Tom Brady, jogador de futebol americano cujo patrimônio líquido é calculado em 44 milhões de dólares, possui várias casas nos Estados Unidos.

A que eles mais usam é a de Los Angeles, avaliada em 20 milhões de dólares. Em fevereiro, venderam uma de suas mansões para o produtor de rap Dr. Dre por 40 milhões.

Segundo a Forbes, anualmente o casal fatura 76 milhões de dólares. Não há notícia de que parte desse dinheiro esteja indo com regularidade para entidades de defesa da Amazônia.



Só voa nos próprios jatos privados. Segundo estudo do governo americano, os aviões são risco ambiental e de saúde pública, respondendo por 3% da emissão de gases-estufa.

Gisele chegou a pegar o jatinho da família, certa vez, para fugir do frio em Boston, onde moraram.

Nem as vaquinhas ela poupa. Há uma entrevista dela à “Vogue” inglesa que ficou famosa. Contou que curte um bife — “mas também amo os animais”.

“O que eu acho que me ajuda bastante – você pode achar que sou louca – é antes de comer qualquer carne eu fico uns segundos em silêncio, coloco a mão sobre a carne, abençoo e fico agradecida porque era uma vida.”

Pois é. A heroína que nós merecemos.

Comentários

Postar um comentário