Presidente da Shell diz que quer o pré-sal e ainda debocha de brasileiros


O presidente da Shell no Brasil, André Araújo, disse em entrevista ao Estadão que a empresa tem muito interesse no pré-sal brasileiro e que o "pré-sal é onde todo mundo quer estar". 


"O pré-sal bra­si­lei­ro, pe­la ge­o­lo­gia, é o lu­gar on­de to­do mun­do quer es­tar. É mui­to po­si­ti­vo. Mas não é to­do igual. Sem en­trar em de­ta­lhes, pe­la de­fi­ni­ção de bô­nus de as­si­na­tu­ra (va­lor pa­go pe­las em­pre­sas à União pe­lo di­rei­to de ex­plo­rar e pro­du­zir na área) é pos­sí­vel ver a ex­pec­ta­ti­va do re­gu­la­dor pa­ra ca­da blo­co. Não há um bô­nus por me­tro qua­dra­do. De­pen­de mui­to da lo­ca­li­za­ção, da re­gião, do que se es­pe­ra da­que­le blo­co", disse o executivo.

Araújo afirmou que a Shell não tem na mira diversas táticas para os blocos que serão oferecidos nos leilões de outubro. E falou até em investimentos em energia elétrica.

Segundo ele, tudo depende das propostas do governo, se o preço for atrativo, vai investir. Araújo deve ter feito referência ao fato de que Temer e Pedro Parente já entregaram boa parte do pré-sal a preços até 100 vezes menores que o valor de mercado.


"Se pro­pos­tas bo­as acon­te­ce­rem. Den­tro do es­cri­tó­rio, meu foco é fa­zer a em­pre­sa ser com­pe­ti­ti­va. Fo­ra, é fa­zer o Bra­sil ser com­pe­ti­ti­vo. Brin­co que um pe­da­ço do meu sa­lá­rio de­ve­ria ser pa­go pe­lo go­ver­no bra­si­lei­ro. Por­que pre­si­den­tes da Shell em mais de 60 paí­ses com­pe­tem co­mi­go. Di­nhei­ro no mun­do tem. Não é ili­mi­ta­do, mas tem".

Comentários