URGENTE! Requião e Lindbergh afirmam que Lava Jato ‘blinda’ Meirelles que fez fortuna no exterior


Por Esmael Morais - Os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ) e Roberto Requião (PMDB-PR) fizeram um dueto no Senado para inquirir a lava jato sobre a proteção aos bancos e ao ministro da Fazenda Henrique Meirelles.


Lindbergh disse que não como levar a sério uma investigação que não leve em conta a participação de Meirelles, pois, segundo ele, o ministro da Fazenda era o administrador da JBS e é citado em várias delações na lava jato.

Requião, por sua vez, também questionou sobre a ausência dos bancos e de Meirelles nas denúncias do Ministério Público Federal e nas sentenças judiciais da lava jato.

Para o senador do PMDB, um mistério ronda a operação: “qual a participação dos bancos nos casos de lavagem de dinheiro e pagamento de propinas no Brasil e no exterior?”, pergunta.

Na opinião de Requião, os doleiros usam o sistema bancário como braço operacional de suas transferências de dinheiro e o Banco Central nada faz para esclarecer os fatos. “Se houver fraudes nestas operações, a Lava Jato tem o dever moral de denunciá-las ao mundo”, cobrou.


O senador Roberto Requião considerou espantoso o fato de os delatores da JBS e da Odebrecht denunciarem transações fraudulentas que superam US$ 7,5 bilhões. Ele ainda lembrou da crise de 2008, quando o governo dos Estados Unidos estatizou os dois maiores bancos do país envolvidos em fraudes, e sugeriu que o Brasil adote o mesmo procedimento.

“Isto seria extremamente benéfico para a economia brasileira, já que os grandes bancos privados do país são apenas sugadores de recursos do setor produtivo mediante a cobrança de taxas e juros rigorosamente estratosféricos e nada contribuem para o desenvolvimento do país”, asseverou o senador.

Comentários