Após ‘morrer’ nas pesquisas, gestão de Doria se transforma num caos para São Paulo


Um paciente com incontinência urinária levará em média 336 dias para conseguir fazer um exame detalhado na rede municipal de saúde sob a gestão João Doria (PSDB).


O intervalo é o previsto para a realização da avaliação urodinâmica completa, diagnóstico com maior tempo de espera na rede municipal.

Embora a fila de exames em São Paulo tenha diminuído desde o início do ano, a maioria dos procedimentos ainda tem uma espera maior que a prometida pelo prefeito para o Corujão da Saúde.

O programa prometia zerar a fila até abril mas envolveu só seis tipos de exames de imagem. Depois, o prazo seria normalizado em 30 dias. Posteriormente, Doria estendeu o limite para 60 dias.


O Corujão da Saúde é hoje um exemplo nacional de eficiência na gestão pública de saúde. Existem filas, mas são administráveis para um prazo de 30 dias para os mais urgentes e de 60 dias para os demais tipos de exame, disse o tucano no último dia 11.

No entanto, três meses depois, uma nova fila surgiu, com outros exames e novos pacientes, mostram dados da Secretaria Municipal da Saúde enviados à Folha depois de pedido feito por meio da Lei de Acesso à Informação.

No total, há 128 diagnósticos com tempo médio de espera informado. Desses, 84% levam mais de 30 dias e 64%, mais de 60. O tempo médio de espera é de 89 dias. No total, a fila tem 215 mil procedimentos cada um pode se referir a mais de um paciente.

As informações são de reportagem de Angela Pinho na Folha de S.Paulo.

CLICK POLÍTICA com informações do brasil247

Comentários