Banco Mundial: sem Dilma, mais de 3 milhões de pessoas agora ganham menos de R$ 140 por mês


Quando Leticia Miranda trabalhava vendendo jornal na rua, ganhava cerca de R$ 500 mensais, quantia exata para pagar o aluguel do pequeno apartamento que dividia com o filho de 8 anos em um bairro pobre do Rio de Janeiro.


Depois de perder o emprego, há cerca de seis meses, em meio à pior crise econômica no Brasil em décadas, ela não teve alternativa senão mudar-se para um edifício abandonado onde já viviam centenas de pessoas.

Todos os seus bens --uma cama, uma geladeira, um fogão e algumas roupas-- estão amontoados em um pequeno quarto que, como todos os outros do prédio, tem janelas sem vidros. Os moradores tomam banho em latões cheios de água e fazem o que podem para conviver com o mau cheiro dos montes de lixo e dos porcos que reviram os detritos no centro do imóvel.

Quero sair daqui, mas não tenho para onde ir.
Leticia Miranda, 28

"Estou procurando emprego e fiz duas entrevistas, mas por enquanto nada", diz ela, vestida com a parte de cima de um biquíni, shorts e sandálias para enfrentar o calor.


Avanço e retrocesso

Entre 2004 e 2014, dezenas de milhões de brasileiros saíram da pobreza, e o país foi considerado um exemplo para o mundo. Os altos preços das matérias-primas e os recém-descobertos recursos do petróleo ajudaram a financiar programas sociais que puseram dinheiro no bolso dos mais pobres.

Mas essa tendência se inverteu nos últimos dois anos por causa da recessão mais dura da história do Brasil e dos cortes nos programas sociais, o que indica que o país perdeu-se no caminho para eliminar desigualdades que remontam à época colonial.

Muitas pessoas que tinham saído da pobreza, inclusive as que haviam entrado na classe média, retrocederam.
Monica de Bolle, do Instituto Peterson para Economia Internacional


O Banco Mundial calcula que cerca de 28,6 milhões de brasileiros saíram da pobreza entre 2004 e 2014. Mas a entidade também avalia que, em 2016, entre 2,5 milhões e 3,6 milhões de pessoas voltaram a viver abaixo do nível de pobreza --com menos de R$ 140 por mês.

Esses números provavelmente estão subestimados, afirmou De Bolle, e não refletem o fato de que muitos brasileiros de classe média baixa que ascenderam durante os anos prósperos perderam poder aquisitivo e estão novamente perto da pobreza.

Comentários