Corrupção aumentou após Impeachment de Dilma, diz Transparência Internacional


247 -No Brasil, o período em que os questionamentos foram feitos à população coincidiu com o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT).


Ficaram assim as avaliações para a pergunta “Na sua opinião, no decorrer do ano anterior, o nível de corrupção no país aumentou, diminuiu ou ficou o mesmo?”:

Cresceu muito – 64%
Aumentou consideravelmente – 14%
Ficou o mesmo – 14%
Reduziu consideravelmente – 4%
Reduziu muito – 2%
Não sei – 2%

Somando os índices negativos, 78% afirmaram que o nível de corrupção “aumentou consideravelmente” ou “cresceu muito”, na avaliação da ONG com sede em Berlim, cujo trabalho é voltado ao combate da corrupção.

No Brasil, 1.204 pessoas foram entrevistadas no período entre 21 de maio de 2016 e 10 de junho de 2016 –dias após o afastamento de Dilma Rousseff (PT) da Presidência da República no processo de impeachment. “A coincidência do período de entrevistas com o momento de fortes turbulências na política nacional e mobilização popular nas ruas pode, sim, ter influenciado nas respostas dos brasileiros”, diz Bruno Brandão, representante no Brasil da ONG Transparência Internacional.


Comentários

  1. Seria uma insensibilidade, com tudo que aconteceu após o impedimento da Dilma alguém falar que a corrupção diminuiu, ao contrário, escancarou-se pra todo mundo ver, os corruptos se uniram sob a batuta do TEMER, e nada se fez pra combater a corrupção, quem poderia agir com equidade e isenção que era a suprema Côrte(STF), abdicou de sua responsabilidade que é julgar, e outorgou essa missão ao legislativo que agindo a seu bel prazer, colocou a matilha a assumir os postos(cargos) mais importantes da República aos políticos acusados de corrupção, que sob o manto da impunidade e da maldita imunidade parlamentar fazem e desfazem no país.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querem sugestões para qualidade de voto de pessoas ou partidos ?
      Vejam se algum candidato ou partido politico tem peito para se comprometer a viabilizar: Fim da obrigatoriedade do voto, fim de votos secretos e por nome nas câmaras municipais, estaduais e congresso (transparência), fim dos privilégios e auxílios, dos altos salários, essa quantidade absurda de assessores, viagens e por aí vai. Acabar com indicações políticas para qualquer serviço público, inclusive juízes e outras autoridades que hoje julgam que os indicou. Eleições em uma data só : Prefeitos, Vereadores, Deputados, Senadores, Presidente.

      Excluir
  2. Mais na procima Eleição tudo vae ser corrigido, eles vão ser Reeleitos e vão acabar com a INVESTIGAÇÃO. Não havendo Investigação não há nada ERRADO>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

    ResponderExcluir
  3. Só não sabe, quem faz parte da corrupção. Com um presibosta que só empossa ministro corrupto, ladrão e assassino.

    ResponderExcluir
  4. Qualquer pessoa minimamente informada e que acompanhou a maneira como o processo de impeachment ocorreu e quem foram os protagonistas desse lamentável episódio compreende, perfeitamente, que um dos principais objetivos era proteger os verdadeiros corruptos e assacadores da pátria mãe gentil. Quem não lembra do famoso áudio, no qual Jucá disse pro Sérgio Machado "tem que estancar essa sangria, parar essa porra toda, em um grande acordo nacional, com o Supremo e tudo"? Quem não recorda do diálogo do Temer com o Joesley: "tem que manter isso aí, viu"? A partir daí, os corruptos continuaram a "nadar de braçadas", aumentando a certeza de que estariam acobertados e livres para continuarem o saque, de todas as formas.

    ResponderExcluir
  5. A manchete é falsa e tendenciosa. A Transparência Internacional mede a percepção. Como, com a ação da Lava Jato, o assunto está na mídia todos os dias, é claro que a percepção cresce. Daí a concluir que a corrupção cresceu vai uma boa distância. Pode até ter ocorrido, mas a medida não é essa.

    ResponderExcluir
  6. A ação constitucional - prevista na Constituição -ampliou o discurso sobre corrupção. Falar sobre não aumenta o fato, mas dá visibilidade. A manchete é tendenciosa. Deveria ser: após impeachment da presidente Dilma aumenta sensação popular relacionada à corrupção.

    ResponderExcluir

Postar um comentário