Duran colocará em livro detalhes e provas de pagamentos a mulher de Moro e propina a amigo de Moro


Há tempos, advogados renomados de todo o país, que atuam na Operação Lava Jato, têm denunciado que escritórios do Paraná possuem prioridade na transação de delações premiadas com a operação Lava Jato, em especial na jurisdição do Juiz Sérgio Moro.


Como é de conhecimento corrente, o justiceiro de Curitiba abusa de prisões preventivas e torturas psicológicas, e no que pese a severidade de suas sentenças, é extremamente piedoso no “recálculo” das mesmas (à título de delação premiada), em especial quando as delações, mesmo sem elemento probatório algum, se dirigem a petistas, apoiadores ou simpatizantes.


Frisa-se que delatores têm sido beneficiados com prisão domiciliar em suas mansões e com garantias de permanecerem com valores vultuosos em patrimônio e em suas contas bancárias, mesmo tendo feito as referidas delações sem provas ou mesmo sem as mesmas possuírem eficácia alguma, simplesmente pela bondade do juiz e a condescendência do Ministério Público Federal.

Como um crime nunca é perfeito, surge mais uma pista do modus operandi da “República de Curitiba”. Rodrigo Tacla Duran, ex-advogado da Odebrecht e que atualmente mora na Espanha, disparou contra o “esquema do Paraná”, fazendo apontamentos que acertam em cheio a espinha dorsal do esquema político-judicial: Sérgio Moro.


Tacla Duran acusa Zucolloto Júnior, advogado paranaense, de intermediar, em seu interesse, negociações com a força tarefa da Lava Jato. Detalhe, esse mesmo advogado é padrinho de casamento de Sérgio Moro e já foi sócio da esposa do referido magistrado-estrela, tudo como noticiado na coluna de Mônica Bergamo na Folha.

A negociação consistia na diminuição da pena de Duran em um acordo de delação premiada, mediante o pagamento, em Caixa 2, de US$ 5 milhões, garantindo uma leve pena em prisão domiciliar, nos moldes do que vem acontecendo com outros “delatores/colaboradores”. A proposta teria sido feita em maio de 2016 e recusada pelo extorquido.

Aliás, o jornalista Luis Nassif aponta que Rosangela Moro teria recebido dinheiro do ex-operador. Inclusive, tais lançamentos constam na declaração de Imposto de Renda do advogado.


Toda essa novela está prestes a culminar com um livro de Tacla Duran, onde parece que vai sobrar para muitos “colaboradores” do mundo todo. Uma novela da vida real onde o autor promete revelar um mundo onde circulam dinheiro, drogas, prostituição e financiamento do poder, e que, principalmente, promete mostrar que a Operação Lava Jato fraudou documentos para incriminar Lula. Nesse sentido, advogados do ex-Presidente estiveram recentemente na Espanha tentando acessar tais documentos.

Nesta semana, Tacla Duran acertou acordo de colaboração com a Justiça de Andorra, se comprometendo a revelar os esquemas de corrupção da Odebrecht e demonstrando que, ao contrário do que pretendia provar a Conspiração Lava Jato, o PT e Lula não eram o centro do esquema, mas ao contrário, estavam à mercê de grandes manobras empresariais e políticas que direcionavam os recursos para a manutenção de um esquema continental.

Comentários