Executivo envolvido em escândalo de propina da Globo é assassinado


O executivo Adolph Lagos, vice-presidente de telecomunicações do grupo mexicano Televisa, foi assassinado neste domingo, quando viajava de bicicleta por uma rodovia do Estado central do México, informou hoje o Ministério Público do país.


A mexicana Televisa, assim como a rede Globo, foi acusada por Alejandro Burzaco, ex-chefe da companhia de marketing esportivo Torneos y Competencias, de ter pagado propina à Fifa para garantir a transmissão das Copas do Mundo de Futebol

Lagos, de 69 anos e ex-diretor do Banco Santander, está viajando de bicicleta na estrada que conduz às pirâmides de Teotihuacán quando ele foi ferido por armas de fogo por estranhos e levado para um hospital "onde infelizmente morreu", disse o Ministério Público do Estado do México.

Lagos, sobrinho do lendário banqueiro mexicano Enrique Espinosa Yglesias, ocupou o cargo de vice-presidente corporativo de telecomunicações da Televisa desde 2013 e da administração geral do sistema de televisão a cabo Izzy.

As informações são de reportagem do Infobae.


Confira abaixo uma reportagem da Reuters sobre o escândalo de corrupção da Televisa e da Globo:

Uma testemunha da acusação no julgamento por corrupção de três ex-dirigentes do futebol testemunhou nesta quarta-feira que o mexicano Grupo Televisa e a brasileira Globo participaram de uma propina de 15 milhões de dólares para um executivo da Fifa para assegurar direitos midiáticos para as edições de 2026 e 2030 da Copa do Mundo.

Alejandro Burzaco, ex-chefe da companhia de marketing esportivo Torneos y Competencias, testemunhou por um segundo dia em um tribunal dos Estados Unidos, acrescentando detalhes ao testemunho de terça-feira de que Televisa, Globo e Fox Sports estavam envolvidas nas propinas.

No primeiro julgamento em uma investigação dos EUA sobre subornos envolvendo a Fifa, Burzaco disse a membros do júri em tribunal federal no Brooklyn nesta quarta-feira que a Torneos, Televisa e Globo pagaram propina para Julio Humberto Grondona, um executivo da Fifa que morreu em 2014.

Burzaco disse que a Torneos e a Fox Sports, uma unidade da Twenty-First Century Fox, eram parceiras em uma venture de marketing esportivo, a T&T Sports Marketing Ltd.


A porta-voz da Fox Sports Terri Hines disse na terça-feira que a parceria da T&T era com uma afiliada da Fox Sports, a Fox Pan American Sports, que era de propriedade majoritária de uma empresa de private equity, e que a Fox Sports não possuía “controle operacional” sobre a T&T.

“Quaisquer sugestões de que a Fox Sports sabia ou aprovava quaisquer propinas são enfaticamente falsas”, disse.

A Globo informou na terça-feira que “não pratica nem tolera qualquer pagamento de propina” e que irá cooperar com autoridades dos EUA.

A Televisa se negou a comentar na terça-feira e não pôde ser contatada imediatamente nesta quarta-feira.As três companhias midiáticas não foram acusadas no caso nos EUA.

O testemunho de Burzaco descreveu propinas para dirigentes em troca de direitos midiáticos no futebol internacional, incluindo pagamentos regulares chegando até a dezenas de milhões de dólares para direitos da Copa América e Copa Libertadores.

Jorge Delhon, um advogado argentino que trabalhava para o programa de TV estatal Futebol para Todos, cometeu suicídio na noite de terça-feira, horas após Burzaco testemunhar que Delhon recebeu propinas, segundo a polícia argentina.


Os três ex-dirigentes em julgamento nos EUA são Juan Ángel Napout, ex-presidente da Conmebol e da federação do Paraguai; Manuel Burga, ex-presidente da federação peruana; e José Maria Marin, ex-presidente da CBF.

Burzaco testemunhou que estava envolvido no pagamento de propinas para todos os três. Em declarações de abertura na segunda-feira, os advogados dos ex-dirigentes negaram recebimento de propinas.

Comentários

Postar um comentário