Temer atrasa licitação para pagar propina. Veja documentos:


O Marcelo Auler já despiu o ladrão presidente na Companhia Docas de Santos, onde uma jovem incauta foi prejudicada para beneficiar o notório Coronel Lima e outro cúmplice.


Auler mostrou até o delegado que se irritou, porque abafaram a investigação sobre a roubalheira do MT.

Outro magnífico repórter, o André Barrocal, na Carta Capital, já mostrou aqui e aqui que o Temer e a empresa Rodrimar, operadora no porto de Santos, estão umbelicalmente unidos, como o Ministro Gilmar Mendes e o Mineirinho, o mais chato, e a Odebrecht e o Careca, o maior dos ladrões.

Agora, o Globo Overseas foi ao Tribunal das Contas e descobriu outra safadeza.

A reportagem é de Vinícius Sassine:


O Tribunal de Contas da União (TCU) detectou que o governo do presidenteMichel Temer vem atrasando uma licitação para exploração de um terminal no Porto de Santos e que isso beneficia uma empresa do grupo Rodrimar, que opera na área. A demora em licitar o uso de dois armazéns e de um terminal no porto pode, inclusive, levar à responsabilização dos agentes públicos envolvidos no atraso, segundo o TCU.


Desde setembro, Temer é investigado no Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, num inquérito que apura se um decreto presidencial de 2017 beneficiou a Rodrimar. Na segunda-feira, em entrevista por telefone ao GLOBO, Temer disse não estar preocupado com o inquérito.

O Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil informou ao TCU que não há obstáculos à licitação da área explorada pela Pérola, empresa formada pela Eurobras, que é do grupo Rodrimar; PCS Fosfatos do Brasil e UltraBulk. Segundo a informação repassada ao tribunal, a concorrência para uso dos armazéns e do terminal no Porto de Santos é uma prioridade do ministério e do Programa de Parceria de Investimentos (PPI), responsável por privatizações do governo federal.

Mesmo assim, informações do processo do TCU apontam para a publicação do edital somente em 25 de julho de 2018, com assinatura de contrato em fevereiro de 2019, conforme previsão da Empresa de Planejamento e Logística (EPL), estatal do governo. A Pérola continua operando na área, sem licitação.

No mesmo processo, em monitoramento sobre determinações feitas em anos anteriores, o TCU constatou que o governo Temer demorou a discutir a assinatura de um contrato de transição com a empresa do grupo Rodrimar. Mesmo com o documento extinto em 2014, a Pérola continuou a operar no terminal de granéis no porto, sem o contrato permitido por resolução da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).


“Demora é grave”

Segundo o TCU, depois de uma disputa judicial, o governo já poderia ter assinado o contrato de transição desde novembro de 2016 — medidas nesse sentido só começaram a ser adotadas em julho deste ano. O contrato foi assinado com a Companhia Docas de São Paulo (Codesp) no último dia 18, para uma movimentação mínima de 41,6 mil toneladas de carga por mês, durante 180 dias. O valor do contrato é de R$ 931 mil.

(…)

Comentários