PARCIAL? Mais da metade da população desaprova Moro, mostra Ipsos


Divulgada nesta quarta-feira 20, uma nova rodada de pesquisas Barômetro Político Estadão-Ipsos, realizada em parceria entre o jornal paulista e o instituto de pesquisa, indica que mais da metade da população desaprova a atuação do juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato em Curitiba e por três processos contra o ex-presidente Lula na primeira instância.


Segundo a pesquisa, que questiona os entrevistados sobre a atuação de personalidades ligadas ao sistema político e judiciário, 53% dos entrevistados desaprovam Moro e 40% o aprovam. É a primeira vez que a pesquisa, iniciada em 2015, mostra uma desaprovação ao magistrado superior à sua aprovação.

Realizada entre 1º e 12 dezembro, a pesquisa revela ainda um aumento na aprovação de Lula. Em alta pelo sexto mês seguido, ela chegou a 45%. Condenado por Moro a nove anos e meio de prisão, o ex-presidente é desaprovado por 54% da população, número semelhante ao do magistrado.

Em setembro de 2015, quando foi iniciada a pesquisa, Moro ainda era desconhecido da maioria da população, segundo o instituto. Naquele período, 56% não sabiam ou não tinham conhecimento suficiente para avaliar sua atuação. Hoje, apenas 7% não têm opinião formada sobre o juiz.


A aprovação de Moro disparou no início de fevereiro de 2016, quando o magistrado divulgou um áudio gravado de maneira ilegal em que Lula e Dilma Rousseff discutiam a a entrega de um termo de posse de ministro ao ex-presidente. Naquele período, a aprovação de Moro chegou a 60%, e continuou estável ou crescente até a metade deste ano.

Em novembro, Moro era aprovado, segundo o instituto Ipsos, por 50% da população. O instituto mediu, portanto, uma queda de 10 pontos percentuais em sua aprovação no último mês.

Em novembro, o advogado Tacla Durán revelou suposta negociação com Carlos Zucolotto, amigo de Moro, para reduzir a multa de sua colaboração premiada com a força-tarefa da Lava Jato por meio de pagamento de propina.

Continue lendo na Carta Capital

Fonte da pesquisa :Ipsos Estadão

Comentários