PIOROU! Após Reforma Trabalhista, Brasil perde 12 mil vagas de emprego

Imagem relacionada

PODER 360 - No 1º mês com as novas regras trabalhistas em vigor, o saldo de postos de trabalho foi negativo. Foram 12.292 vagas a menos no mês de novembro. O resultado interrompe uma sequência de 7 meses com saldo positivo de empregos formais.


Os dados divulgados nesta 4ª feira (27.dez.2017), são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

As contratações no mês somaram 1.111.798, enquanto as demissões totalizaram 1.124.096. São considerados no cálculo apenas os empregos com carteira assinada.

No comparativo com os 2 anos anteriores, o saldo negativo de 12.292 posto de empregos formais é imensamente menor. Em novembro de 2015 e em novembro de 2016 foram registrados, respectivamente, saldos de -130.629 e -116.747

“O resultado não significa interrupção da retomada do crescimento econômico do país”, disse o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira. “A recuperação da economia vem ocorrendo de forma gradual e consistente”, afirmou.


Mesmo com o resultado negativo no 1º mês após a reforma, o ministro estima que a nova regulamentação de contratos de trabalho, jornada intermitente e jornada parcial, possibilitará a criação de 1,7 a 2 milhões de empregos em 2018 e 2019.

Desde janeiro, foram criados 299.635 novos postos de trabalho. Ao fim de novembro o país tinha 38,62 milhões de trabalhadores com carteira assinada.

ÍNDICE POR SETORES

De todos os setores de atividade econômica, o comércio teve o melhor registro em novembro, com acréscimo de 68 mil novas vagas criadas, queda de 0,76%. Segundo o Ministério do Trabalho, a alta foi puxada principalmente pelo ramo varejista. O motivo: a proximidade com o período de festas e as vendas ocorridas no black friday.

Entre os setores com resultado negativo, destacaram-se a indústria de transformação, com 22.826 vagas fechadas. A agricultura registrou redução de 21.761 postos e o setor de serviços teve queda de 2.972.

ALTA EM 13 ESTADOS

Os dados apontam que 13 Estados da federação tiveram alta. O Rio Grande do Sul teve o melhor resultado, com a criação de 8.753 vagas formais, seguido por Santa Catarina, 4.995, e Rio de Janeiro, com 3.038 novas vagas.


Os piores desempenhos foram registrados em São Paulo, que teve 17.611 postos fechados em razão do saldo negativo em diversos os setores, seguido pelo Goiás, com 6.163, e Mato Grosso, com 5.804 vagas fechadas.

SALÁRIO MÉDIO

Segundo o ministério, em novembro, o salário médio de admissão (após ajuste dos valores pela inflação) foi de R$ 1.470,08. Em outubro, ele estava em R$ 1.463,12. No mesmo mês do ano passado, o valor era de R$ 1.416,17.

Comentários