Temer libera R$ 3 bilhões para prefeitos aliados por votos na Reforma da Previdência


O governo do presidente Michel Temer decidiu liberar mais R$ 3 bilhões a municípios em 2018 caso a reforma da Previdência seja aprovada.


A estratégia é pressionar os prefeitos a influenciarem deputados na Câmara para que eles votem em favor das mudanças nas regras de aposentadoria.

Durante reunião nesta segunda-feira (4), no Palácio do Planalto, integrantes da Casa Civil e dos ministérios da Fazenda e do Planejamento fecharam o projeto que inclui R$ 3 bilhões extras na previsão do Orçamento do próximo ano.

O governo estipulou que metade desse montante deverá ser aplicado na saúde e o restante, em projetos apresentados pelos prefeitos para a melhoria dos municípios.

O discurso oficial é o de que a aprovação da nova Previdência vai trazer benefícios para as contas públicas e tornará mais robusta a arrecadação do governo, o que permitirá mais investimentos por parte da União.

Por isso, afirmam assessores de Temer, é possível se comprometer com a liberação de mais dinheiro mesmo com a meta fiscal de 2018 fixada em um deficit de R$ 159 bilhões.


O objetivo é que a promessa motive os prefeitos a pressionarem seus deputados a aprovar a medida, considerada impopular às vésperas de um ano eleitoral.

Temer já havia anunciado a liberação de R$ 2 bilhões em forma de Auxílio Financeiro aos Municípios para o pagamento da folha dos servidores, repassado via FPM (Fundo de Participação dos Municípios). No entanto, a dificuldade do governo em conseguir pelo menos 308 votos para aprovar a reforma na Câmara fez com que a equipe do presidente decidisse adotar uma nova contrapartida.

OFENSIVA

Nesta semana, o Planalto iniciou mais uma ofensiva sobre a base aliada, prefeitos e governadores para tentar reunir pelo menos 308 votos pela reforma –hoje o governo não tem o apoio necessário para fazer avançar a medida.

Em jantar na casa do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), neste domingo (3), ministros e líderes do governo apresentaram argumentos para tentar vencer a resistência dos parlamentares e reorganizar a base na contagem dos votos.

O ministro Dyogo Oliveira (Planejamento), por exemplo, disse no jantar que o PIB pode cair 2,8% em dois anos se a reforma não for aprovada.

Ainda de acordo com o ministro, caso a nova Previdência tenha o aval do Congresso, a taxa de desemprego do país estará entre 8% ou 9% em junho e julho do ano que vem –hoje o índice é de cerca de 12%.


“É isso que temos que vender”, disse Dyogo, segundo relatos de participantes do jantar.

Auxiliares de Temer vão analisar se o clima na base para a votação da reforma melhorou em uma nova reunião, marcada para esta quarta-feira (6). Só então decidirão se vão ou não pautar a matéria ainda este ano, como desejava o Planalto.

Comentários

  1. Se a arrecadação da previdência é específica a ela e deve ser aplicada aos segurados não dá para entender onde irá os recursos beneficiar o crescimento do PIB e porque ela diminuirá o desemprego.
    O que pode ocorrer é que a sobra devido à reforma será recambiado para outras finalidades, mas a única finalidade será o pagamento de dívidas interna e externa, está impagável e em acelerado crescimento. Os tributos e os recolhimentos da previdência que não são sonegados, além das despesas com pessoal e manutenções da União e do repasse ao Fundo de Participação dos Municípios paga 45% da dívida externa(juros e amortizações) e o restante repactua com taxas as mais altas do mundo.
    O Brasil e nós brasileiros somos a teta dos banqueiros e especuladores internacionais e nacionais.
    Esse sírio libanês fedorento, satanista e chefe de quadrilha que toma banho com perfume importado para esconder o cheiro de bode está promovendo a destruição dos trabalhadores brasileiros e até impedindo produção de alimentos para promover desabastecimento, além de retirar recursos e comprometer do ensino público e da saúde, além de tantas outras medidas.
    Jumentão sírio libanês e toda sua quadrilha! Para que o Brasil o estado tem de investir na sua reindustrialização, em pesquisas e criações científicas e para que isso possa ocorrer só existe uma forma e inadiável criar imposto sobre fortunas e aplicar integralmente nessa finalidade.
    Você jumentão e sua quadrilha de burros e mafiosos iguais a ti estão levando o país à dizimação e o povo à miséria absoluta e escravidão porque se um país não dobrar o PIB em 20 anos; dobrar a renda homogeneamente no mesmo período e não aplicar no mínimo 21% do PIB anual em investimentos é uma aldeia e não um país que nunca sairá da dependência do capital, da tecnologia, dos insumos e medicamento, do conhecimento de país evoluídos e administrados por seres evoluídos e racionais. Existe países que cumprem a meta em 13, 16 anos e os países independentes e soberanos estão promovendo a elevação da renda de seus cidadãos para elevar o consumo interno e suas excelentíssimas jumentas tirando renda e direito conquistados arduamente.
    Cegos guiando cegos acabam todos no precipício.
    E os prefeitos vão se venderem porque são um bando de porcos também, são politiqueiros brasileiros, sem espírito e razão, criaturas desespiritualizadas e parvas.

    ResponderExcluir
  2. Esqueci de observar a existência de países que aplicam mais de 30 do PIB em investimentos e nós não temos nem referências de aplicações pública a privada, mas as aplicações devem ser negativas. Isto é, toma-se algum dinheiro emprestado BNDES ou de outro banco de fomento para a finalidade investimentos, tanto governo como iniciativa privada, e desviam de finalidade, além de amortizar e liquidar os financiamentos através de um novo contratado eternizando. É a prática brasileira por isso somos país de idiotas como fomos avaliados.

    ResponderExcluir

Postar um comentário