Texto de Juíza que desnuda os mitos da 'meritocracia' viraliza nas redes sociais

juíza meritocracia texto redes sociais

A meritocracia” é o processo de alavancamento profissional e social como consequência dos méritos individuais de cada pessoa, ou seja, dos seus esforços e dedicações.


Quem defende a teoria da meritocracia, acredita que qualquer pessoa possa chegar onde quiser apenas através do seu esforço.

De outro lado, muitas pessoas criticam essa ideia, principalmente em um país cuja sociedade é desigual, racista, machista, homofóbica.

A juíza de direito do Tribunal de Justiça do Paraná Fernanda Orsomarzo escreveu um post no seu Facebook contando sua história de muito esforço, porém também de muito privilégio, para afastar a ideia de meritocracia. O post já passa de 50 mil curtidas.

Fernanda se classifica como branca e parte de uma família classe média, o que a possibilitou de frequentar boas escolas, cursinhos e universidades. “Todos têm suas lutas e histórias de vida. Todos enfrentam dificuldades e desafios. Porém, enquanto para alguns esses entraves não passam de meras pedras no caminho, para outros a vida em si é uma pedra no caminho”, afirmou.


Confira a íntegra do texto:

Ralei duro para ser Juíza de Direito. Cheguei a estudar 12 horas por dia em busca da concretização do tão almejado sonho. Abdiquei de festas, passei feriados em frente aos livros, perdi momentos únicos em família. Sim, o esforço pessoal contou. Mas dizer que isso é mérito meu soa, no mínimo, hipócrita.

Em primeiro lugar, nasci branca. Faço parte de uma típica família de classe média. Estudei em escola particular, frequentei cursos de inglês e informática, tive acesso a filmes e livros. Contei com pais presentes e preocupados com a minha formação. Jamais me faltou café da manhã, almoço e jantar. Nunca me preocupei com merenda ou material escolar.

Todos têm suas lutas e histórias de vida. Todos enfrentam dificuldades e desafios. Porém, enquanto para alguns esses entraves não passam de meras pedras no caminho, para outros a vida em si é uma pedra no caminho. Meu esforço individual contou, mas eu nada seria sem as inúmeras oportunidades proporcionadas pelo fato de ter nascido – repito – branca e no seio de uma família de classe média minimamente estruturada.

O mérito não é meu. Na linha da corrida em busca do sucesso e realização, eu saí na frente desde que nasci. Não é justo, não é honesto exigir que um garoto que sequer tem professores pagos pelo Estado entre nessa competição em iguais condições. Nunca, jamais estivemos em iguais condições.

O discurso embasado na meritocracia desresponsabiliza o Estado e joga nos ombros do indivíduo todo o peso de sua omissão e da falta de políticas públicas. A meritocracia naturaliza a pobreza, encara com normalidade a desigualdade social e produz esquecimento – quem defende essa falácia não se recorda que contou com inúmeros auxílios para chegar onde chegou.



Comentários

  1. E merito dela sim. Muitos tem condições de vida piores e chegam mais longe... muitos tem condições de vida melhor e nao chegam a lugar nenhum. Esse discurso de apadrinhar pessoas que teoricamente nao tiveram condições de lutar de igual pra igual tende a reforçar esse regime que escraviza a maioria que por senso comum estão amarrados em sua auto piedade.
    Me diga qual é o incentivo que uma pessoa pobre e negra tem ao ler um post infeliz desse? Olha Sra Juiza. a senhora fez um discurso infeliz visando a desmotivação do senso comum. Pessoas com o pensamento da Sra são tudo que esse país não precisa nesse momento.
    Ser Brasileiro por si ja é um obstáculo e tanto ja basta de desmotivação alem das que ja temos.
    Qualquer pessoa independente da cor e da origem pode chegar aonde quiser se acreditar que o seu alcance vai depender do seu esforço. É meritocracia sim!
    Deus ilumine nosso Brasil.. Deus ilumine o povo brasileiro que é aguerrido e batalhador. Nós só não sabemos votar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi mérito dela sim, porém
      caminho para chegar até onde ela queria foi favorecido pelas condições externas de vida ,muitos queriam ter as mesmas condições porém lutam contra a fome,preconceitos,formação precária nas escolas,etc.

      Excluir
    2. Rogério Costa
      Petdeua chance de ficar com a boca fechada.

      Excluir
    3. Rogério Costa deve ser muito bem sucedido na vida,e deve ter vindo das classes sociais mais baixas.

      Excluir
    4. Rogério Costa, que tal jogar uma estatística nisso que você defende. Me diga quantas pessoas negras, pobres e favelas tem a chance de chegar onde ela chegou e quantas com as mesmas condições que ela chegaram em posições semelhantes a dela? É disso que ela trata no texto. A desigualdade social no Brasil é enorme. E meritocracia só é válida quando todos têm as mesmas oportunidades. O que está muito longe de acontecer.

      Excluir
  2. Discordo do Rogerio Costa e concordo com a Juíza. Ela está admitindo que existe diferença entre as classes e que esta diferença facilita a vida de uns poucos e prejudica a vida de uns muitos. Não é a toa que vivemos em uma sociedade piramidal onde só existe espaço para uns poucos em seus topo enquanto sobra espaço na base para uns muitos. Se todos se esforçassem para ser juízes a imensa maioria não conseguiria pelo simples fato de que não existem vagas para todos de forma que há necessidade de algum tipo de seleção e a sociedade atual seleciona de uma maneira que privilegia quem pertence a famílias mais 'ricas' e quando entra um de família mais pobre todos sabem que foi um golpe de sorte (mesmo que a sorte tenha sido possuir uma inteligência superior).

    ResponderExcluir
  3. Infeliz é o seu comentário Rogério Costa , reproduz o discurso de pessoas privilegiadas ao ponto de serem indiferentes as mazelas alheias. Qual o incentivo um negro pobre terá ? O maior e mais belo de todos , o reconhecimento de uma autoridade branca que joga por terra a falácia da meritocracia, dando -lhe forças para ir a atrás de direitos garantidos por lei, as Cotas Sócio Raciais , das quais pelo que percebi, vc não sabe absolutamente nada , aproveite e pesquise sobre as Cotas para Brancos Ricos , filhos de Fazendeiros que vigoraram no Brasil, nos anos 60 para curso de Veterinária e Agronomia , pagos com dinheiro do contribuinte. Boa pesquisa pra vc !

    ResponderExcluir
  4. MAIS UMA COMPROVAÇÃO DE QUE, EMBORA O QUERER E O ESFORÇO AJUDEM UMA PESSOA A CONSEGUIR ALGUMAS COISAS, PARA CONQUISTAS MAIORES É PRECISO QUE HAJA IGUALDADE DE CONDIÇÕES PESSOAIS, DE SAÚDE, DE QUALIDADE DE ESTUDO, DE TEMPO DISPONÍVEL PARA PREPARO E DE OPORTUNIDADES... QUEM NÃO TEM ESSAS CONDIÇÕES, COMEÇA A CORRIDA COMPETITIVA NUMA POSIÇÃO ANTERIOR, TEM MENOS RESISTÊNCIA E VELOCIDADE... E AINDA ENCONTRA MAIS OBSTÁCULOS!

    ResponderExcluir
  5. Na verdade esta juíza está fazendo uma análise crua da realidade , pois é assim que acontece , no seio da sociedade !!!

    ResponderExcluir
  6. Talvez o Sr. Rogério Costa tenha problemas com interpretação de textos! Pois, para discernir sobre o texto da Sra. Juíza como ele fez, também prova que o pensamento descrito no não foi reconhecido...
    Algo assim como pensa o Sen. Aécio sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  7. Felicito, com ENTUSIASMO, AS PALAVRAS E POSTURA da Dra Fernanda e parabenizo-a pela suaS conquistaS e palavras. Sim, no plural, pois o êxito na sua luta para ser JUIZA DE DIREITO é a representação de muitas outras lutas e conquistas e seu esforço pessoal só exaltam o mérito.
    Melhor ainda quando para uma função como está é selecionada uma pessoa com caráter, preocupação com a justiça ( e não só com a lei) como esta doutora.
    Ela não está escrevendo um tratado de SOCIOLOGIA, porém, embora o mérito tenha que estar presente em tudo, o desnível de condições deve ser minimizado ao extremo. Espero que ela se mantenha assim, pois a "COROA DO PODER" tende a corromper, sufocar ou acomodar as pessoas. Ah!, boas condições também não é tudo, haja vista que muitos tem condições muito boas e não chegam lá.

    ResponderExcluir
  8. É justo que ninguém é igual a ninguém, mas, ela coloca claro que não tem sentimento porque não passou em momento algum por dificuldade na vida, é, pelo que entendi ela nunca será uma pessoa humilde, porque não sabe o que é isso. Jesus Cristo com toda sua sabedoria e aprendizado foi humilde, que, renunciou todo o tipo de assédio, mas, ele optou pelas pessoas que luta para conseguir os seus objetivos desde que saiba ser humilde e ser uma pessoa humana, e, lute pelas pessoas que necessitam de ensinamento de justiça e que tenha sede justiça...

    ResponderExcluir
  9. Parabens... ela tinha tudo para ficar no lugar confortavel dela , nao o fez...

    ResponderExcluir

Postar um comentário