Comunidade internacional se mobiliza contra perseguição a Lula


A Frente Internacional Brasileiros no Mundo contra o Golpe e entidades sindicais de vários países se somaram às organizações do Brasil e intensificaram a agenda de atividades em defesa da democracia e do direito do ex-presidente Lula ser candidato nas eleições de outubro.


Em vários países da Europa e também no continente americano, diversos atos estão agendados até o dia 24, data em que o Tribunal Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre (RS), julgará o recurso de Lula contra a condenação descabida e sem provas imposta pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, no caso do tríplex do Guarujá.

No último sábado (13), dia em que inúmeras atividades foram realizadas no Brasil, com a criação de Comitês Populares, aulas públicas e até blocos de carnaval em defesa da democracia e do ex-presidente, também houve atividades em Londres (Inglaterra) e em Berlim (Alemanha). E a partir da próxima semana, novas ações vão acontecer (confira relação no final).

“Entidades sindicais de todos os continentes estão envolvidas nas ações em solidariedade a Lula, procurando apoio de parlamentares, juristas e organizações sociais, além de produzirem documentos que serão enviados a autoridades brasileiras”, informou Antônio Lisboa, secretário de Relações Internacionais da CUT.


Lisboa contou ainda que sindicalistas do Uruguai e da Argentina estão organizando caravanas a Porto Alegre, para participarem da vigília que acontecerá na cidade a partir do dia 23, véspera do julgamento, que está sendo organizada pela CUT, as principais centrais sindicais e os movimentos sociais.

Where is the evidence?

Nos Estados Unidos, os participantes de conferência sobre Direitos Civis e Humanos da AFL-CIO – central sindical do país – também demonstraram sua solidariedade a Lula.

Na atividade, que aconteceu no último final de semana em Houston (Texas), os sindicalistas reservaram um horário para se manifestar contra os ataques infundados ao ex-presidente. Os delegados ao evento empunharam cartazes afirmando #ElectionWithoutLulaIsFraud (Eleição Sem Lula É Fraude), #WhereIsTheEvidence (Cadê a prova?).


Pouco antes, Fred Redmond, vice-presidente da United Steel Workers (sindicato nacional dos metalúrgicos na siderurgia), fez uma contundente defesa de Lula e da democracia e conclamou as demais entidades sindicais do país a intensificarem suas ações em solidariedade ao ex-presidente.

“Desde o golpe em 2015, as entidades sindicais voltaram suas atenções para o Brasil e sabem que defender Lula contra a perseguição política-judicial que vem sofrendo é defender os direitos dos trabalhadores não só aqui, mas em todo o mundo”, destacou o dirigente da CUT.

Comitês Populares

Os Comitês Populares em Defesa da Democracia e do Direito de Lula ser candidato à Presidência da República são uma articulação com o objetivo de envolver os movimentos sociais, populares, sindicais, artistas, sociedade civil e toda militância petista, assim como os partidos do campo democrático e popular.

“Desde o golpe sofrido após o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, é preciso organizar a classe trabalhadora e setores médios da sociedade para a manutenção do processo democrático”, define a presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann.

Da Redação da Agência PT de Notícias

Comentários