HUMILHOU MORO E CIA: Sou juíza, não pararia por privilégios, mas sim por Marielle Franco


Justificando - Hoje, eu pararia, 


Pararia para revelar o odioso caráter nocivo da “reforma” trabalhista.

Eu pararia para denunciar o corte orçamentário que asfixiou a Justiça do Trabalho em 2016.

Eu pararia contra declarações que acusam (sem qualquer fundamento) a Justiça do Trabalho de parecer um “tribunal da união soviética” ou contra todos aqueles que propugnam sua extinção.


Eu pararia para denunciar os projetos de lei que pretendem cura gay, escola sem partido, redução da maioridade penal.

Eu pararia em defesa do direito de greve, forma legítima de manifestação democrática, e, portanto, contra a lei “antivandalismo” do prefeito Marchezan, que prevê punição para quem ousar exercer o direito de manifestação em Porto Alegre.

Eu pararia em defesa da independência da magistratura, como condição essencial para a formação de um Estado Democrático, denunciando a gravidade de quaisquer práticas que direta ou indiretamente pretendam ou sirvam para pressionar juízes a votar desse ou daquele modo.

Eu pararia para protestar contra a corrupção, como a que também ocorre quando se atribui natureza indenizatória a verbas nitidamente salariais pagassem acordos judiciais, apenas para que não verse contribuição previdenciária e imposto de renda, denunciando os desvios antidemocráticos de uma suposta luta (seletiva) contra a corrupção, que chega a promover atos que negam garantias constitucionais fundamentais.


Eu pararia para denunciar a forma como a polícia vem tratando grevistas, como o que ocorreu ainda anteontem com os professores de São Paulo.

Eu pararia.

Hoje, eu pararia, sobretudo, para denunciar a exceção vivida no Rio de Janeiro, que resultou a morte de Marielle Franco, mulher, negra, militante, executada a sangue frio, poucos dias após haver denunciado truculência policial.

Eu pararia como integrante de uma greve, construída por uma consciência coletiva formada em assembleia da categoria com amplo debate, para que se definissem de forma clara, inclusive, os reais motivos e as reivindicações precisas do movimento.


Como não há greve deflagrada e a “mobilização” (votada virtualmente em consulta binária) nada disso denuncia, hoje, eu não vou parar.

Valdete Souto Severo é Doutora em Direito do Trabalho pela USP/SP e Juíza do trabalho no Tribunal Regional do Trabalho da Quarta Região.

Comentários

  1. Eu, e acredito que todo os brasileiros, hoje massacrados pelos abusos do golpe presidencial em cima das leis trabalhistas conquistada com muito sangue e suor, concordamos em gênero e grau contigo excelentíssima Juiza Valdete Souto. Abaixo o auxilio a moradia pra quem não precisa.

    ResponderExcluir
  2. Tem todo o meu respeito. A senhora é um bálsamo em meio a tantas distorções e insanidades.

    ResponderExcluir
  3. Se a justiça brasileira tivesse mais representantes como a senhora , não viveríamos esse estado de horror contra a classe política, judiciária e policial

    ResponderExcluir

Postar um comentário